Às vezes, investidores podem se sentir um pouco receosos ao sair da Renda Fixa. Podemos ficar um pouco perdidos na hora de buscar novos desafios (e rentabilidades), sem saber como começar a investir em Renda Variável. Mas você vai ver que, ao entender os investimentos dessa modalidade, o medo vai embora rapidinho.

 

Além disso, alguns detalhes podem fazer a diferença para você buscar novos desafios e ser muito bem-sucedido nessa nova empreitada no mundo dos investimentos. 

 

Então fique ligado nas cinco dicas que reunimos para te ajudar a descobrir como começar a investir em Renda Variável. Boa leitura!

 

O que é Renda Variável

 

Ao contrário na Renda Fixa, a Renda Variável é um investimento que não possui retorno previsível. Isso porque o preço dos investimentos e o rendimento da Renda Variável podem mudar em questão de horas. Além disso, esses títulos não possuem data de vencimento, sendo seus até que você opte por vendê-los.

 

Outro ponto desse tipo de investimento é que com ele você se torna sócio ou faz parte do negócio. Em outras palavras, seus rendimentos serão baseados na distribuição de lucros do lugar onde você investiu. Por conta disso, as aplicações nessa renda oferecem mais riscos em comparação com títulos do Tesouro Direto ou CDBs por exemplo.

 

No entanto, vale destacar que em razão do maior risco, aumentam as chances de maiores rentabilidades.  Na Renda Variável, você pode ganhar na compra ou na venda de um ativo. Esse também é um investimento de longo prazo, ou seja, tende a se valorizar ao longo do tempo.

 

5 dicas para você entender como começar a investir em Renda Variável

 

1- Tenha uma reserva de emergência consolidada

 

Antes de saber como começar a investir em Renda Variável, ter uma boa reserva de emergência é essencial para qualquer investidor. Inclusive, qualquer um que deseja uma vida financeira saudável, sem sustos, deve construir essa reserva antes de partir para as ações, por exemplo.

 

Essa é uma reserva de recursos para aqueles momentos de dificuldade. E que todo mundo pode ter, e que exigem um “respiro” financeiro. Às vezes, um eletrodoméstico quebrado, um imprevisto no trânsito ou até uma perda de emprego podem exigir uma reserva de emergência bem estruturada. A maioria dos especialistas indica que a reserva deve ter de 4 e 6 meses do orçamento mensal total da família.

 

Nesse caso, você pode fazer uma reserva de emergência investindo em títulos de Renda Fixa, como CDBs e Tesouro Direto Selic, atrelado a taxa de juros básica do país.

 

2- Entenda a diferença entre Renda Fixa e Renda Variável

 

Entender o que difere a Renda Fixa da Renda Variável também é essencial para ter um bom relacionamento com seus investimentos. Para começar, é bom entender os riscos que envolvem as duas modalidades e como ele pode ser usado a seu favor. Se tiver qualquer dúvida sobre a diferença entre os dois, esse vídeo no nosso YouTube e esse texto aqui no nosso blog devem te ajudar a sanar suas dúvidas.

 

3- Estude os produtos e saiba como começar a investir em Renda Variável

 

Existem no mercado financeiro vários tipos de investimento de Renda Variável. O melhor para você vai depender do quanto você conhece de cada tipo e do seu perfil de investidor. O fato é que existem diversas formas de comprar Ações.

 

Por exemplo, podemos citar os Fundos de Investimento (como Fundos de Ações, Multimercado, Fundos Imobiliários etc), além dos ETFs, contratos futuro, entre outros. Com certeza você pode encontrar um investimento para chamar de seu.

 

4- Respeite seu perfil de investidor

 

Saber e respeitar seu perfil é fundamental. E isso vale tanto para quem aplica em Renda Variável quanto em outras modalidades de investimento. Saber o quanto você vai ficar tranquilo com o vai e vem do mercado é essencial. Pois isso te ajuda a ter uma boa relação com seus investimentos. Mas se você tem qualquer dúvida sobre os diferentes perfis de investidor, é só clicar aqui.

 

5- Não tenha medo, comece

 

Depois de cumprir todas essas etapas, você já deve estar bem mais a vontade para começar no mercado de Renda Variável, né? Especialistas indicam que iniciantes podem começar com cerca de 10% ou 15% da carteira de investimentos em Renda Variável. E, a partir daí, ir sentindo o quanto se sente à vontade com a modalidade.

 

Como começar a investir em Renda Variável sem erros

 

Agora que você já sabe o que considerar na hora de investir, é hoje de partir para a ação. E para fazer isso sem cometer alguns erros, nada como ter a ajuda de quem entende de investimentos.

 

Na plataforma da Easynvest, você encontra uma série de playlists de ações, aos moldes daquelas da Netflix. Assim fica mais fácil para você saber quais são as ações que mais subiram no dia. Ou ainda as ações mais negociadas da Bolsa, as do setor de tecnologia etc.

 

Além disso, você conta com carteiras recomendadas produzidas por analistas profissionais. São listas prontas de Ações, Fundos Imobiliários e BDRs que você pode seguir na hora de escolher os seus investimentos.

 

Fácil, né? Então aproveita que você não paga nada para acessar as carteiras recomendadas. É só clicar aqui, abrir sua conta gratuita e começar.