O que são as ações? Como ganhar dinheiro com elas? Tem riscos? Essas dúvidas comuns entre quem está começando a investir. À primeira vista, negociar Ações pode parecer um bicho de sete cabeças.

 

Mas entendendo os principais conceitos e regras desse mercado, você vai perceber que ele é mais simples do que parece.

 

Quando o assunto é investimento, o mercado de ações costuma ser uma modalidade indicada para quem está em busca de ganhos maiores (o que também envolve mais riscos).

 

As Ações são investimentos de Renda Variável. Na prática, elas funcionam como papéis que você pode comprar e vender na Bolsa de Valores.

 

O preço desses papéis oscila de maneira constante, subindo e descendo conforme os acontecimentos na economia, na política e até nas próprias empresas.

 

Contudo, o objetivo aqui é simples: comprar uma Ação por determinado valor, esperar uma valorização e depois vendê-la com lucro. Mas apesar da lógica ser simples, existem vários detalhes que você precisa considerar antes de investir na Bolsa.

 

Neste post, listamos tudo que você precisa saber para montar a sua cesta de Ações. Aproveite!

 

O que são Ações?

Mas afinal, o que são ações? A resposta para essa pergunta é simples: Ações representam uma pequena fatia de uma empresa. Também podemos entender as Ações como a menor parte do capital social de uma empresa.

 

Assim, quando investimos em uma Ação, estamos comprando um pedacinho de uma companhia.

 

Para as empresas, as Ações funcionam como uma maneira de adquirir dinheiro para financiar ou aumentar suas operações. Negociando suas Ações na Bolsa de Valores, elas conseguem fazer isso sem precisar recorrer a um empréstimo, por exemplo.

 

As ações também existem para atrair investidores. Se, para ser criada, uma empresa precisou de R$ 100 mil, esse valor pode ser dividido em partes iguais. Caso seja feito em 100 partes iguais de R$ 1.000, serão 100 ações diferentes.

 

Quando isso acontece, começa a negociação de ações na Bolsa de Valores com o objetivo de financiar o crescimento da empresa. A companhia então passa a ter capital aberto.

 

Vamos imaginar uma situação hipotética: você tem uma empresa de alimentos congelados. Mas sua operação está crescendo e você precisa de um novo espaço para funcionar, por exemplo.

 

Aí, em vez de recorrer a um banco ou outra instituição para captar o dinheiro, você abre o capital da sua empresa.

 

Em outras palavras, permite que pessoas comprem Ações, tornando-se suas sócias. Do mesmo modo, elas injetarão os recursos que você precisa para a expansão do seu negócio.

 

Apesar disso, é importante esclarecer que comprar Ações de uma empresa não significa poder tomar decisões administrativas relacionadas à sua gestão.

 

Seus direitos e deveres como sócio estarão atrelados ao tamanho da sua fatia da empresa e, consequentemente, a quantidade de Ações você possui e o tipo de Ação adquirida.

 

Conheça os tipos de Ações

Em primeiro lugar, você precisa saber que existem três tipos de Ações: as ordinárias (ON), as preferenciais (PN) e o conjunto de ambas, as chamadas “units”.

 

A principal diferença entre as Ações ordinárias e preferenciais está no tipo de benefício que você possui ao adquiri-las.

 

 

Ação Ordinária (ON): no caso de Ações ordinárias, o investidor terá direito a voto em assembleias gerais convocadas por essa empresa. Portanto, ele pode participar das decisões relacionadas à operação. Essas Ações podem ser identificadas pelo final 3, por exemplo: PETR3 (Petrobras); CIEL3 (Cielo); ABEV3 (Ambev).

 

 

Ação preferencial (PN): como o próprio nome já diz, esse tipo dá preferência ao investidor no recebimento de dividendos. Quem possui Ações preferenciais sempre receberá parte dos lucros antes do investidor que possui Ações ordinárias. Este tipo de Ação sempre vai ter os finais 4,5,6,7 e 8. Por exemplo: ITSA4 (Itausa), PETR4 (Petrobras), GOLL4 (Gol).

 

 

Units: por último, temos esse que é um conjunto das Ações ON e PN negociadas em um mesmo ativo. Muitas empresas criam esse pacote como forma de garantir a venda tanto das Ações preferenciais, quanto das ordinárias. Isso acontece quando uma tem tido mais liquidez que a outra, por exemplo. Entre as units, podemos citar, por exemplo, TIET11 (AES Tietê), BIDI11 (Banco Inter), BBTG11 (BTG Pactual), entre outras.

 

 

Ações Blue chips

As blue chips são tipos de ações de empresas com grande negociação na Bolsa e, consequentemente, maior valor de mercado. Por isso, são chamadas de ações de “primeira linha”. Alguns exemplos são: ações da Petrobras, Ambev, Vale e Itaú.

 

Ações Mid caps

Mid caps são ações de empresas de médio porte e que estão em nível intermediário de negociação. Assim, dependendo do papel, pode haver maior ou menor liquidez. Em outras palavras, maior ou menor facilidade para vender e comprar.

 

Ações Small caps

As small caps são ações de empresas de menor tamanho. A liquidez, nesse caso, tende a ser mais baixa do que a das blue chips e das mid caps. Entretanto, esse grupo de ações pode gerar uma rentabilidade bem maior. Mas atenção: os riscos também são maiores nessa categoria.

 

Como ganhar dinheiro com Ações

Existem diferentes maneiras de ganhar dinheiro investindo no mercado de Ações. Confira quais sãos as principais.

 

Por meio da valorização das Ações

A principal forma de ganhar dinheiro com Ações é comprar os papéis e esperar que eles se valorizem. Depois, você pode vender e embolsar o lucro. No mercado financeiro, essa variação no preço das Ações é um reflexo da relação entre demanda e oferta.

 

Assim também podemos dizer que a valorização influencia no comportamento dos investidores em relação à companhia. Portanto, quanto maior o interesse dos investidores em comprar as Ações da empresa, maior o preço dessas Ações.

 

Por meio da desvalorização das Ações

Sim, você não leu errado. Isso é possível. Como investidor, se você entende que um cenário está desfavorável para uma empresa e que possivelmente suas Ações irão cair, você pode operar vendido.

 

Funciona assim: você vende as Ações que acredita que terão desvalorização e quando os preços caírem, você compra novamente, por um preço mais baixo.

 

Recebendo dividendos

Os dividendos são a parte do lucro que as empresas distribuem aos seus acionistas. Uma das vantagens é que esse tipo remuneração não envolve a cobrança de Imposto de Renda. Ou seja, os valores recebidos são líquidos.

 

Recebendo Juros sobre Capital Próprio

Essa é a forma da empresa remunerar seus investidores independente da geração de lucros. Essa distribuição é registrada como despesa, estimulando a permanência de seus acionistas e atraindo mais pessoas. É importante ressaltar que, neste caso, 15% de Imposto de Renda é retido na fonte.

 

Vantagens de investir em Ações

Se tornar sócio de uma empresa significa que, quando ela tiver lucro, podemos ganhar o lucro proporcional ao número de Ações que temos. A longo prazo, há ainda mais vantagens, como:

 

  • Tributação reduzida;
  • Potencial elevado de rentabilidade;
  • Diversificação da carteira;
  • Proteção de patrimônio;
  • Criação de oportunidades de trabalho, entre outros.

 

Portanto, tenha em mente que as principais vantagens de aplicar nesse tipo de investimento se referem ao longo prazo.

 

Desvantagens do mercado de Ações?

Todo investimento possui riscos, em menor ou maior grau. Quando investimos em uma empresa, é claro que acreditamos que ela irá dar lucro no futuro. Porém, se ela não corresponder a isso, o preço da Ação pode diminuir e teremos prejuízo.

 

É arriscado? Sim! Mas os riscos fazem parte do processo para obter melhores rendimentos. Por isso, é importante estudar o mercado e a empresa antes de comprar uma ação e não agir por impulso.

 

Um dos maiores erros de quem está começando a explorar o mercado de Ações é colocar todo o dinheiro em apenas um lugar. O melhor é diversificar seus investimentos entre diferentes empresas, juntamente com setores diversos da economia.

 

Por exemplo, uma parte maior do seu dinheiro pode ficar em investimentos mais seguros, como os ativos de Renda Fixa. Isso vai reduzir os riscos das suas aplicações e aumentar o potencial de ganhos.

 

 

E agora, como começar a investir em Ações? 

Muitas pessoas se fazem a mesma pergunta: tem valor mínimo para começar a investir na bolsa de valores? A resposta é não. O montante que você vai investir vai depender do tipo de Ação e da quantidade.

 

Porém, é preciso levar em conta os custos operacionais, ou seja, o que fica com a corretora na compra e na venda das Ações, conhecido como taxa de corretagem.

 

Para começar a investir, você pode acessar a plataforma da Easynvest. Lá, você encontra informações e orientações para decidir sobre seus investimentos.

 

 

Formas de investir em Ações

 

 

Fundos de Investimento em Ações (FIAs)

 

Os Fundos de Investimento em Ações funcionam como qualquer outro fundo de investimento. Diversos investidores se reúnem para um investimento em conjunto, que por sua vez é gerido por um especialista.

 

Esse tipo de fundo é uma ótima alternativa para quem está começando no mercado de Ações ou não tem muito tempo para fazer a negociação dos ativos.

 

A regra diz que devem investir pelo menos 67%, ou dois terços, em papéis de empresas listadas na Bolsa de Valores. O resto pode ser investido em outros tipos de investimentos, como Renda Fixa. Por isso, eles formam provavelmente a classe mais agressiva de todas.

 

Os FIAs não têm incidência de come-cotas, mas eles sofrem tributação do Imposto de Renda em 15% sobre o lucro do investidor.

 

Clubes de Investimentos

Clubes de Investimentos são semelhantes aos FIAs. Entretanto, têm um número específico de cotistas, que divide o valor de corretagem e custódia, o que diminui esses custos. Além disso, a taxa de administração é flexível.

 

ETFs

As ETFs (Exchange Traded Funds) são cestas de Ações em que é possível diversificar a carteira por meio da compra de um número maior de papéis, pagando apenas uma taxa de corretagem e emolumento.

 

Montar sua própria carteira

Você ainda pode investir por conta própria e administrar as compras e vendas das Ações que quiser. Para isso, você pode montar uma Carteira de Ações.

Uma carteira de investimentos nada mais é que o conjunto de aplicações que todo investidor tem. Ela também é chamada de cesta ou portfólio de investimentos.

 

O que é taxa de corretagem e de custódia?

Já falamos sobre as taxas que podem ser cobradas pelas corretoras em operações de investimentos. Mas você sabe o que elas significam, bem como por que são ou não cobradas?

 

A taxa de corretagem é uma das mais conhecidas. Ela corresponde ao valor que vai para a corretora sempre que o investidor compra ou vende uma ação.

 

Já a taxa de custódia, que pode ser cobrada na Renda Fixa ou Renda Variável, serve para manter os ativos do investidor. Algumas corretoras ainda fazem uso dessa taxa, mas há uma tendência forte em isentar os investidores. Aqui na Easynvest, existe apenas o custo da taxa de corretagem.

 

Imposto de Renda sobre Ações

Sempre que fazemos uma operação na Bolsa de Valores, é necessário declarar Imposto de Renda. Mas atenção: o informe de rendimentos que você recebe da sua corretora ou banco não traz seus ganhos e prejuízos com suas ações.

 

Esse tipo de informação está nas suas notas de corretagem, que você deve solicitar diretamente à sua corretora. Para operações com até R$ 20 mil de lucro no mês, não há imposto retido na fonte. Em contrapartida, ao passar disso, é obrigatório pagar 15% sobre o lucro.

 

 

Enfim, vale a pena investir no mercado de Ações?

Considerando todos esses quesitos, sim, vale a pena. Mas é muito importante conhecer o mercado e suas oscilações. As ações podem proteger e aumentar nosso patrimônio, levando-o para um novo patamar financeiro.

 

O primeiro passo é o estudo financeiro. Assim, podemos começar devagar. No início, você pode aplicar uma parcela pequena da sua reserva.

 

E, acima de tudo, não se esqueça da diversificação. Tente distribuir o seu capital entre empresas que tenham grande fluxo e que sejam de boas empresas, com tendência de crescimento.

 

Assim, com uma estratégia bem traçada, comprar esse tipo de ativo pode ser a chave para rentabilizar nosso capital de forma eficiente.

 

Carteiras Recomendadas da Easynvest

Nem sempre é fácil escolher uma Ação. Foi por isso que decidimos simplificar a sua experiência com as Carteiras Recomendadas Easynvest.

 

As carteiras recomendadas são indicações de investimentos montadas por um time de especialistas bem experiente. Nesse sentido, uma seleção pronta que você pode seguir na hora de escolher onde colocar o seu dinheiro.

 

As recomendações seguem sempre as classificações por perfil de investidor, possibilitando que todas as pessoas consigam ter opções de investimento. Além disso, as indicações também abrangem diversos objetivos, entre eles a preservação de patrimônio com proteção assim como investimentos com maior risco e maior oportunidade de rentabilidade.

 

Outra vantagem é que as Carteiras Recomendadas da Easynvest já trazem indicações de alocação, que é a sugestão de como dividir seu dinheiro entre os investimentos. Ou seja, quantos por cento do seu dinheiro você vai colocar em cada um.

 

Por fim, você pode optar por investir em todas as opções sugeridas nas carteiras ou pode escolher algumas oportunidades que façam sentido para você.

 

Portanto, use e abuse das Carteiras Recomendadas da Easynvest.

 

Bons investimentos!