Quando você pensa em investimentos na Bolsa, quais empresas vêm à sua cabeça? Petrobras? Quem sabe Magazine Luiza? Pois saiba que as melhores oportunidades do mercado de Ações podem estar nas Small Caps

Esse é o termo para definir as menores empresas da Bolsa Brasileira (B3). Mas não se engane, essas companhias não são tão pequenas assim. Muitas delas são referências e até mesmo líderes de mercado em seus nichos.

É isso que você vai entender em detalhes no texto a seguir. Preparamos um guia completo para você desbravar o universo das Small Caps. Você vai saber o que elas são, como funcionam bem como quais as melhores formas de investir nessas Ações. Boa leitura!

  • O que é Small Cap?
  • Small Caps x Blue Chips: qual a diferença?
  • Vantagens das Small Caps
    • Valorização
    • Diversificação
  • Existe risco nas menores empresas da Bolsa?
  • Formas de investir em Small Caps
    • Ações de Small Caps
    • ETF de SMLL
    • Fundos de Small Caps
  • Use a carteira recomendada de Small Caps da Easynvest

O que é Small Cap?

Small Caps são Ações das empresas com menor capitalização na Bolsa. Em outras palavras, são companhias consideradas menores, com um valor de mercado abaixo das grandes empresas listadas.

Nesse sentido, capitalização de mercado significa valor de mercado. Na prática, esse indicador é calculado a partir da cotação das Ações da empresa multiplicada pelo número de Ações que compõem seu capital. Isso permite avaliar o tamanho da companhia, relativamente a outras listadas na Bolsa ou a outras referências.

Atualmente, não existe um consenso no mercado financeiro para definir qual empresa é uma Small Caps. Por exemplo, alguns especialistas defendem que empresas com até 1 bilhão de dólares de valor de mercado são consideradas Small Caps. Existem profissionais que consideram Small Caps empresas com valor de mercado entre 300 milhões e 2 bilhões de dólares.

Pode parecer muito. Mas, para termos uma referência, as empresas Petrobras e Vale têm valor de mercado entre 400 e 500 bilhões de reais. A Apple vale atualmente cerca de 2 trilhões de dólares. 

Por outro lado, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), determina que todas as empresas que estão fora do grupo das 25 maiores companhias do índice Ibovespa, o Top 25, podem ser consideradas Small Caps. 

Existe ainda o Índice de Small Caps da própria Bolsa de Valores do Brasil (B3). É o SMLL. Assim, com essa seleção, já é possível identificar várias empresas de menor valor de mercado que fazem parte do índice e estão disponíveis para investimento. 

Small Caps x Blue Chips: qual a diferença?

Assim como as Small Caps são as Ações de empresas com menor valor de mercado na Bolsa, existem as Blue Chips. Nesse caso, são as Ações das maiores companhias que, devido ao seu tamanho e importância, são também as mais negociadas na B3.

Entre as principais Blue Chips da Bolsa estão Petrobras, Itaú, Vale e Magazine Luiza. Além disso, por serem as mais negociadas no mercado, as Blue Chips também são as que possuem o maior peso no índice Ibovespa. 

As Blue Chips também têm uma alta liquidez. Em outras palavras, essas Ações são tão procuradas que não será difícil encontrar compradores para a sua Ação. Ou seja, é sempre fácil vender uma Ação Blue Chip no mercado.

Contudo isso não acontece com todas as Small Caps, o que exige cuidado por parte do investidor. Falaremos sobre liquidez mais a frente.

Além disso, não se engane em achar que, por terem menor valor de mercado, elas não são empresas desconhecidas. Muitas são referências e até mesmo líderes de mercado em seus nichos. Então, como falamos acima, já valem alguns bilhões. 

Hoje existem Small Caps dos mais diversos setores. Entre eles tecnologia, agronegócio, energia e mineração. Por exemplo podemos a Brasilagro, do ramos do agronegócio, Ferbasa (metalurgia), CSU Cardsystem (tecnologia) e Copel (energia).

Small Caps

Vantagens das Small Caps

Valorização

Uma das principais vantagens é exatamente o potencial de crescimento e valorização que essas empresas têm. E isso acontece porque elas ainda são relativamente pequenas. Em contrapartida, têm mais espaço para crescerem no mercado.

Afinal, uma empresa pequena tem mais facilidade de alcançar um forte crescimento do que uma companhia já gigantesca. Para dar um exemplo simples, imagine que uma empresa que fatura 100 e passa a faturar 200 conseguiu dobrar a sua receita. Já quem fatura 1.000 e passa a faturar 1.100, quer dizer, os mesmos 100 a mais, só cresceu 10%.

As Small Caps também costumam ficar foda do radar da maioria dos investidores. Assim também é comum o preço das Ações permanecerem abaixo do valor patrimonial. Essa distorção é vista com uma vantagem, pois é possível investir em Ações que estão baratas.

Além de terem mais espaço para alta, com um mesmo volume de dinheiro você consegue comprar mais Ações de uma Small Caps do que de uma gigante da Bolsa.

Diversificação

Outro ponto importante é a diversificação. Com as empresas menores, você tem mais possibilidades para investir em setores bem promissores.

Em geral, o índice Ibovespa é muito concentrado em Ações de bancos e empresas da área de commodities. Investindo em Small Caps você pode diluir os riscos que estão atrelados a esses setores. 

Confira nos gráficos abaixo a diferença na composição do Ibovespa e do índice de Small Caps SMLL.

Small Caps
Small Caps

Existe risco nas menores empresas da Bolsa?

Na hora de investir em Small Caps, é preciso levar alguns fatores em conta. São alguns riscos ou pontos de atenção que envolvem esse tipo de empresa.

O primeiro deles é a liquidez, ou seja, a facilidade de vender as suas Ações para outros investidores. As Blue Chips, por serem companhias maiores e mais consolidadas, são também as mais negociadas no mercado.

Assim, a falta de liquidez pode ser um problema para algumas Ações de Small Caps. Isso porque se você quiser vender suas Ações, pode ter alguma dificuldade para encontrar um comprador que queira comprá-las pelo preço que você espera. 

Claro que isso não acontece com todas as Small Caps. Para você ter uma ideia, só o índice SMLL da B3 tem um volume diário de negociação na casa de R$ 61 milhões. Ou seja, na hora de escolher uma Ação para investir, fique ligado na liquidez. 

Além disso, algumas empresas com menor liquidez acabam ficando mais suscetíveis aos movimentos do mercado. Elas inclusive podem sofrer grandes variações em curtos períodos de tempo. Mas, como tudo no mercado financeiro, quanto maior o risco maiores as chances de retorno.

Por fim, é importante dizer que o maior risco do investimento nas companhias com menor capitalização não está na liquidez, ou na governança corporativa ou na “fragilidade das companhias”. O maior risco está em não conhecer a empresa que você está investindo, já que muitas dessas empresas não são tão cobertas por corretoras e assets.

É muito importante conhecer as companhias e o seu nicho. E claro, entender onde você está colocando o seu dinheiro. Mas, se você acha que essa tarefa é difícil, a gente também te ajuda nessa parte. É o que você vai descobrir a seguir. 

Formas de investir em Small Caps

Existem basicamente três formas de investir em Ações de Small Caps. Você pode comprar Ações diretamente no pregão da B3. Pode investir em fundos de índice (ETFs), bem como fundos de investimento tradicionais.

Ações de Small Caps

Você pode comprar Ações Small Caps diretamente na B3. Para isso, é preciso abrir conta em uma corretora de valores como a Easynvest. O procedimento é exatamente igual ao da compra de qualquer outra Ação.

ETF de SMLL

Na Bolsa de Valores brasileira, existem atualmente dois ETFs que seguem o Índice de Small Caps. Um deles é o o iShares BM&FBovespa Small Cap Fundo de Índice, gerido BlackRock e negociado com o código SMAL11. O outro é o It Now Small Fundo de Índice, do banco Itaú e negociado sob o código SMAC11.

Em outras palavras, esses dois ETFs replicam a carteira teórica de Ações do SMLL. E, com isso, acompanham também a rentabilidade dessas Ações. Para o investidor, entre as principais vantagens desses ativos estão a diversificação da carteira e a diluição dos riscos. 

Outro ponto positivo é o baixo custo. Para replicar o índice SMLL por conta própria, você precisaria de muito mais dinheiro. A taxa de administração cobrada é de 0,50% ao ano. É uma das mais baixas quando comparadas com a média dos fundos de Ações.

Fundos de Small Caps

Também existem no mercado financeiro vários Fundos de Investimento focados em Ações Small Caps. Aqui a grande vantagem é delegar os seus investimentos para um gestor profissional. 

Então, em vez de você ter que estudar e analisar as companhias da Bolsa, é o gestor e sua equipe que vai fazer esse trabalho. 

Use a carteira recomendada de Small Caps da Easynvest

Se você quer ainda mais facilidade na hora de investir em Small Caps, aqui na Easynvest você pode acessar uma carteira recomendada com nove Ações Small Caps para investir.

Sob a ótica da análise fundamentalista, eles escolhem as Small Caps que acreditam ser uma boa escolha para o médio e longo prazo. Eles sinalizam a hora de comprar e vender cada Ação, de maneira bem simplificada. Em outras palavras, os analistas da Easynvest acompanham o mercado o dia inteiro, estudam a fundo as empresas da Bolsa e montam essa seleção de Ações que você pode replicar na hora de investir.

No caso da carteira de Small Caps o objetivo é encontrar empresas fora do radar dos investidores e com alto potencial de crescimento. Além disso, o objetivo também é superar o índice SMLL a longo prazo por meio de empresas de menor valor de mercado. 

O investimento em Ações para o longo prazo exige que o investidor tenha capacidade financeira e emocional de absorver as oscilações de curto prazo. Isso fica ainda mais evidente para as Ações Small Caps já que o volume reduzido de negociação de alguns papéis pode acarretar em movimentações mais agudas.

Conheça os principais diferenciais da carteira recomendada:

Simplificação: recomendação de investimento com grande potencial de retorno via uma seleção de poucos e excelentes ativos.

Potencial de valorização: por serem empresas de menor porte, as oportunidades de crescimento ainda são abundantes quando comparadas com as grandes empresas da Bolsa.

Diversificação: fora do radar da maioria dos investidores, essas Ações costumam ser pouco correlacionadas com as empresas Blue Chips. Ou seja, isso traz uma excelente diversificação ao investidor de perfil mais arrojado. Além disso, todo o conteúdo produzido pelos analistas fica disponível para você em um relatório completo.

Só que tem mais. A carteira recomendada fica disponível de graça para você, lá no portal e aplicativo da Easynvest. E por fim, mas não menos importante, você pode investir nessas Ações com corretagem zero.

É isso aí, você não paga nada para acessar as análises dos especialistas. Então, abra sua conta gratuita aqui na Easynvest, e venha aproveitar a carteira recomendada.

Veja também:
• 11 ações baratas da bolsa: vale investir ou é ‘furada’?