Texto por Invista como uma garota

Quem nunca se sentiu mal porque estava em casa enquanto todo mundo no Instagram parecia estar em algum lugar muito diferente, fazendo coisas muito legais, com pessoas muito bonitas? Esse aperto no estômago foi carinhosamente denominado FOMO, fear of missing out (ou “medo de ficar de fora”, no nosso português). Nada mais é do que a nossa necessidade primitiva e emocional de pertencer a um grupo, seja tendo vontade de estar literalmente com aquelas pessoas, seja tendo as mesmas coisas que elas têm – ou pior, sendo como elas são.

Como nosso cérebro tende a cair nessa armadilha, precisamos estar atentas para um exercício muito importante para a nossa saúde mental: lembrar que os posts que vemos são uma curadoria cuidadosa da vida das pessoas que seguimos. Lembrar que as pessoas podem ter tirado dezenas de fotos até aquele clique perfeito, que existe filtro e photoshop. Não tá todo mundo super bem, foto viajando não necessariamente significa conta bancária saudável, roupa bonita não significa sucesso e que tem gente que literalmente vive para produzir fotos perfeitas (é o trabalho delas).

Por que isso é importante? Porque é natural a gente se comparar e se sentir mal vendo tudo de “incrível” que os outros estão fazendo. E por que isso tem a ver com dinheiro? Porque se sentir mal vendo o que os outros estão fazendo pode ser um baita de um gatilho pra você gastar com coisas que não necessariamente estão alinhadas às suas prioridades – ou que até estejam, mas com as quais você tinha planejado gastar só mais pra frente. Vamos explicar.

Já parou para pensar em como era sua vida quando simplesmente não tinha como os outros saberem o que você estava fazendo, a menos que você ligasse e contasse pra eles? Era mais simples trocar uma noite no bar por uma noite em casa, uma viagem no feriado por um feriado low cost, um almoço no restaurante por uma marmita, uma roupa cara por uma mais simples. Ou vai dizer que você nunca ficou se sentindo mal por não ter saído com as amigas porque ficou em casa e depois elas postaram fotos, stories, #tbt?

Saber o que os outros estão fazendo o tempo todo nos gera ansiedade, faz a gente se comparar o tempo todo e isso molda nossos hábitos de consumo, mesmo que sem percebermos. Queremos fazer coisas legais também, ir a lugares bonitos, usar roupas bonitas, comer pratos bonitos, tomar drinks bonitos.

Na próxima vez que for gastar com algo que não seja prioridade pra você, que custe um pouco mais caro do que você poderia gastar, ou que você só tivesse se planejado pra fazer/comprar mais pra frente, converse consigo mesma. Entenda por quais motivos você está fazendo isso. É porque estou sentindo medo de ficar de fora? É porque vai dar uma foto bonita? É porque quero likes? É porque minhas amigas estão fazendo isso ou aquilo? Se a resposta for “sim”, pergunte-se: Se hoje fosse 1990, sem celular, sem WhatsApp, sem Instagram, eu faria isso? Ou pensaria duas, três vezes antes de gastar com isso? Se você não faria em 1990, não faça em 2019. Suas economias e investimentos agradecem!

 

_

 

Conheça o projeto parceiro do Nós, Mulheres Investidoras:
Vic Giroto e Aninha Baraldi começaram o Invista como uma garota em julho de 2018, um projeto que aproxima mulheres no começo da carreira de diálogos informais e sem tabu sobre dinheiro, investimentos, orçamento pessoal e questões da mulher no mercado de trabalho. Apaixonadas por educação financeira e economia comportamental, encontraram assim uma forma contribuir ativamente com a causa feminista: a liberdade da mulher passa pela autonomia financeira.