Com certeza você pensa no futuro e cultiva o hábito de guardar dinheiro para estar preparado, certo? Mas onde guarda seu dinheiro? É na poupança? 

Já parou para pensar que poupar suas economias na tão famosa, queridinha e conhecida caderneta poupança pode estar te fazendo perder dinheiro? Sim, perder dinheiro! E é claro que você não quer ver suas economias rendendo pouco.

Por mais que seja tradicional e segura, a poupança é pouco rentável. E, a cada ano que passa, ela vem perdendo espaço entre os brasileiros que pensam em guardar dinheiro e aumentar o patrimônio. 

Mas, se quer salvar suas economias e ainda fazê-las render, fique aqui! Neste post, você vai entender porque deixar o dinheiro parado na poupança não vale a pena, além de descobrir como dar adeus para ela e entrar de vez no mundo dos investimentos.

Aqui você encontrará:

  • O que é a poupança?
  • Por que devo sair da poupança? 
  • Como sair da poupança e começar a investir?

O que é a poupança?

Também conhecida como “caderneta de poupança”, essa é a aplicação financeira mais utilizada pelos brasileiros. É por meio dela que as pessoas possuem o costume de acumular dinheiro e não retirá-lo para que o mesmo fique disponível em casos de emergências futuras. 

Infelizmente, devido a falta de acesso à educação financeira ou medo de começar a investir, a poupança hoje ainda é a principal escolha para guardar o dinheiro.

Mas não precisa ter medo, sair da poupança traz inúmeros benefícios financeiros, com a mesma liquidez e retornos maiores para você e seus objetivos futuros.

Por que devo sair da poupança? 

Confira abaixo alguns motivos que vão te fazer repensar se a poupança é ou não o melhor lugar para deixar suas economias.

1 – Pode sacar a qualquer momento, mas…

Na poupança, você pode sacar o seu dinheiro a qualquer momento. Mas o ideal é fazer isso apenas uma vez no mês e a cada 30 dias.

Como assim, Easy? Calma, nós explicamos! 

Isso acontece porque, na caderneta de poupança, o investidor pode sacar parte ou a totalidade dos recursos a qualquer momento. Porém, o que pouca gente sabe é que os valores investidos são remunerados de forma mensal, e com uma data de aniversário.

Nesse caso, um investidor que aplicou R$ 1.000 no dia 1º de outubro e precisou sacar o dinheiro no dia 15 de novembro, ficou com o valor depositado por 45 dias e só recebeu remuneração por 30 dias.

Com isso, é como se tivesse perdido 15 dias. Ou seja, foi o mesmo que deixar o dinheiro parado na conta corrente, ou até debaixo do colchão. Assim, o dinheiro não é corrigido, e você perde oportunidade de recebê-lo com o acréscimo do período.

Nada rentável, prático e moderno, certo?

Em outras palavras, a poupança rende apenas uma vez ao mês. Por mais que você ache que a liquidez diária (possibilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento) é um benefício, a rentabilidade só ocorre mensalmente, no “aniversário” de aplicação dentro da poupança. 

Agora, se você está se perguntando como obter rentabilidade diária, existem muitas opções de investimentos com esse benefício. E eles são tão seguros quanto a poupança.

Mas segura um pouco, calma, pois vamos falar sobre os investimentos daqui a pouco, neste mesmo post!

2 – Rendimento Baixo 

Desde sua criação, lá em 1861, a caderneta de poupança tem por regra a remuneração de 6% ao ano.

Antes de mais nada, relembre que o rendimento da poupança é definido pelas variações da Taxa Selic e também pela variação da Taxa Referencial (TR).

Em 2012, quando o Brasil teve pela primeira vez uma taxa básica de juros abaixo de 8% e por questões de equilíbrio no mercado, o governo se viu forçado a alterar a regra de remuneração.

Desde então, sempre que a taxa Selic estiver igual ou inferior a 8,50% ao ano, a poupança passa a render 70% da taxa Selic. Para você ter uma ideia, no momento em que este post foi escrito a Selic estava em 3,5% ao ano.

Portanto, quando comparamos este retorno com o de aplicações em outros investimentos, percebemos o quão baixo é. 

Vale destacar que a poupança é tem a cobertura do FGC, o Fundo Garantidor de Créditos. Essa instituição financeira protege os seus investimentos caso o banco que emitiu o CDB quebre. 

O FGC garante até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira. Sempre com o limite de R$ 1 milhão.

3 – Poupança perde para a inflação 

Em qualquer aplicação financeira, o primeiro objetivo do investidor deve ser a preservação de capital em relação à inflação. No passado, entre 2012 e 2016, a inflação acumulada foi de 40,31% no período, enquanto o retorno da caderneta de poupança foi de 40,99%. 

Ou seja, por muito pouco, o investidor não saiu perdendo para a inflação mesmo com o dinheiro investido.

Já em 2015, quando o Brasil teve uma disparada brusca da inflação, o resultado foi ainda mais alarmante: 10,67% para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, contra 8,07% da poupança. Os dados são da calculadora do cidadão do Banco Central, clique no link caso queira consultar outros períodos.

Assim, olhando os números, não é exagero dizer que, quando descontamos a inflação, a poupança rendeu zero. Assim, quem deixou dinheiro depositado na velha caderneta perdeu dinheiro.

4 – Você acha que a poupança é a mais prática, fácil e sem risco? Será mesmo?

Além de promover pouca flexibilidade, pois se trata de uma única aplicação, e sabemos que a diversificação do dinheiro é uma das melhores alternativas para fazer seu patrimônio render, engana-se quem acha que a poupança é 100% sem risco.

Outro mito que afasta o brasileiro de ganhar mais investindo é o de que a poupança é o local mais seguro para deixar o dinheiro. Ela possui risco de mercado. Em outras palavras, o seu dinheiro pode ser desvalorizado com a inflação e, neste caso, você acaba perdendo.

Outro mito da poupança é a sua praticidade. Você sabia que as plataformas online de investimentos são super práticas, fáceis e intuitivas para investir? É possível ter tudo na palma da mão, em apenas poucos cliques.

Então, se você ainda usa a desculpa ultrapassada de que a poupança é mais prática e fácil, está perdendo tempo.

5 – “Não invisto porque tenho medo e pouco dinheiro”

Eis outro mito sobre o mundo dos investimentos. O de que é preciso muito dinheiro para investir. Você sabia que é possível começar a investir com pouco mais de R$ 30? Um dos ativos mais conhecidos para isso são os títulos públicos do Tesouro Direto

Por isso, não caia na história de que só a poupança permite pequenos investimentos.

Como sair da poupança e começar a investir? 

Agora que você já sabe que a poupança não vale a pena, é hora de dar o primeiro passo para abandoná-la de vez.

E as opções para sair da poupança e começar a investir são diversas. Mas, se você ainda está receoso de iniciar sua trajetória no mundo dos investimentos, escolha começar aplicando no Tesouro Selic.

O Tesouro Selic conta com liquidez diária e, como o próprio nome diz, rentabilidade atrelada à Selic. Além de ser seguro, é bem parecido com a poupança, mas rende mais. Uma ótima opção para investidores iniciantes. 

Como funciona?

No Tesouro Selic, o valor creditado na sua conta da corretora está disponível no dia útil seguinte depois da solicitação de resgate. Ele tem seu rendimento atrelado à Taxa Selic, a Taxa Básica de Juros, e a liquidez diária, o que te permite resgatar o dinheiro em até um dia útil.

No Tesouro Selic, seu investimento está no sistema do Tesouro Direto, ou seja, seu dinheiro é emprestado ao governo. E nós sabemos que o governo é o último a falir em casos extremos. 

Outras opções para você são investimentos de Renda Fixa como CDBs.

Na plataforma da Easynvest você encontra todos eles, além de diversos conteúdos de educação financeira.

Para saber mais, assista: 

Vem pra Easy, abra sua conta

Veja também:
•  Veja as melhores dicas de como economizar dinheiro em 2021.