Você sabia que, no Brasil, é cada vez maior o número de mulheres investidoras? Por mais que ainda sejam minoria no mercado financeiro, os avanços existem e não são nada lentos. No Tesouro Direto, elas representam 27,5% dos investidores.

E não faltam motivos para as mulheres investirem nessa e em outras modalidades. De modo geral, mulheres ganham menos e vivem mais, estão sujeitas ao desemprego e à interrupção da carreira para cuidar dos filhos e até de familiares.

Para alcançar a desejada tranquilidade financeira no futuro e conseguir lidar com esses e outros momentos, o investimento se revela uma opção muito interessante e que oferece rentabilidade maior e o retorno mais rápido.

Participe também desse grupo de mulheres investidoras e confira 6 dicas para começar a aplicar.

1. Aprenda sobre investimentos

O primeiro passo envolve conhecimento. Sem ele, dificilmente você fará parte do grupo de mulheres investidoras. E acredite: esse não é um tema difícil e, aqui no blog da Easynvest, você tem todo o conteúdo que precisa.

Conheça as principais modalidades de investimento, os impostos que cada uma tem e quanto elas rendem. Com essas informações, você consegue comparar as opções e escolher aquela que melhor se encaixa em sua realidade.

2. Considere seus objetivos de curto a longo prazo

Investimento não é uma coisa só e você perceberá isto a partir do momento que conhecer os tipos existentes para aplicar seu dinheiro. No entanto, para fazer as melhores escolhas, é importante considerar seus objetivos e metas de curto a longo prazo.

Pegue uma folha de papel ou abra uma planilha no computador e anote seus objetivos. Depois, classifique-os de acordo com o prazo que cada um tem e deixe-os separados para a etapa 5 deste artigo.

3. Conheça seu fluxo de caixa

Outra característica importante de mulheres investidoras é conhecer bem seu fluxo de caixa, ou seja, a quantidade de dinheiro que entra e sai todo mês. Sem esse controle, fica difícil separar uma quantia para investir todo mês.

Existem diversas maneiras de controlar o dinheiro que entra e sai da sua conta e, entre as mais eficazes, estão os aplicativos e as agendas financeiras. Ao anotar todos os seus gastos, é possível identificar aqueles que não são tão importantes.

4. Não esqueça da reserva de emergência

Imprevistos acontecem e você deve estar preparada para enfrentá-los. Quando não há uma reserva de emergência, você fica suscetível a utilizar o cheque especial ou até ultrapassar o limite de um ou mais cartões de crédito.

Como os imprevistos não avisam que estão chegando, separe uma quantia todo mês para sua reserva de emergência. Aliás, ela pode render em um investimento que permite o resgate a qualquer momento — ajudando você a poupar.

5. Escolha seus investimentos

O número de mulheres investidoras tem crescido cada vez mais e um dos primeiros passos para entrar nesse time é a escolha dos investimentos corretos.

Agora que você tem bons motivos e a capacidade de separar uma parte do dinheiro para fazer render, chegou o momento de escolher os melhores investimentos. Para ajudá-la, a Easynvest tem um simulador que ajuda a definir seu perfil de investidora.

São três etapas muito simples:

  • diga a quantidade que tem para investir;
  • escolha a opção que mais combina com o que você pensa;
  • selecione o box com a descrição que reflete suas finanças.

O simulador é capaz de indicar o investimento que mais combina com o seu perfil. Mas isso não deve ser o suficiente! No próximo tópico, você verá a importância de diversificar seus investimentos e entrar de vez para o time das mulheres investidoras.

Antes disso, voltamos aos objetivos listados lá no segundo tópico. Observe como eles podem ser divididos:

5.1. Objetivos de curto prazo

Para guardar dinheiro entre seis meses e um ano, as Letras de Crédito Imobiliárias (LCIs) possuem papéis que rendem por volta de 90% do CDI — que, em 2018, ficou na faixa de 0,5% ao mês. Apenas para uma comparação rápida, se você decidisse colocar o valor na poupança — que não é um investimento —, ele renderia 0,37%.

Outras opções para objetivos de curto prazo:

  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs);
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Tesouro Selic.

5.2. Objetivos de médio prazo

Se os seus objetivos forem para daqui a três, quatro ou cinco anos, eles podem ser considerados de médio prazo. É o caso da entrada para comprar um imóvel ou um carro.

Sendo assim, os títulos do Tesouro Direto são bastante interessantes e, quando cumprem o prazo determinado, ficam isentos de Imposto de Renda. LCIs e LCAs também devem ser consideradas nos objetivos de médio prazo.

5.3. Objetivos de longo prazo

Para mulheres investidoras com objetivos de prazo maior que cinco anos, é possível considerar Ações, Fundos de Investimento Imobiliário e o Tesouro Direto — este último uma alternativa interessante à aposentadoria.

6. Monte sua carteira de investimentos

Apostar todo o seu dinheiro em um único investimento, por mais seguro que ele seja, não é a opção ideal. Por isso, existe o conceito de carteira de investimentos. Trata-se da distribuição correta do dinheiro em diferentes aplicações.

Seus objetivos que devem ser cumpridos a longo prazo podem receber uma quantia específica, em investimentos que precisam render por um ou mais anos. Já aqueles de curto prazo podem ser associados às aplicações que vencem e podem ser resgatadas em um período de tempo menor.

Ao cumprir as dicas acima, você estará apta para fazer parte do crescente grupo de mulheres investidoras. Coloque em prática seus planos para garantir um futuro financeiramente mais tranquilo.

Conte com o apoio e os materiais que estão no blog da Easynvest. Nele, você encontra uma seção dedicada às finanças para mulheres. Aproveite os artigos para adquirir mais conhecimento e ser cada vez mais independente.