ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Fund, que, traduzida para o nosso idioma, pode ser definida como um fundo de investimento que se baseia em índices da Bolsa de Valores.  Esse tipo de título abrange diversos investidores, reunindo todo o capital para empregar em vários ativos diferentes.

Criado na década de 1980 nos Estados Unidos, o ETF é muito famoso nos outros países do mundo e possui as mais variadas classes de ativos disponíveis para investimentos. Já no Brasil, ele foi lançado em 2004 e ainda apresenta um mercado moderadamente pequeno, contando com 15 ativos na Bolsa de Valores.

Nesse fundo, quem comanda o investimento e escolhe os momentos mais propícios para compra e venda é o gestor do fundo, que acompanha o mercado para saber qual é a melhor hora para obter resultados positivos. Aqui, a trajetória dos ativos é verificada através de um índice de referência,  como o Ibovespa, que é o mais conhecido entre eles.

O que é ETF?

Apesar de apresentar um baixo custo, o ETF faz parte da renda variável, então não é possível calcularmos o retorno financeiro que ele irá trazer. Por isso, é muito importante estudar esse mercado. Ficou interessado e quer saber mais sobre esse tipo de investimento? Então venha com a gente esclarecer suas dúvidas de uma vez por todas!

Características do ETF

Antes de começar a investir, nós precisamos ter certeza de que esse tipo de título corresponde às nossas expectativas de mercado, não é mesmo? Abaixo, nós trazemos as características fundamentais de um ETF. Confira:

 

Diversificação

Esse é um dos principais atributos do ETF. Aqui, o seu dinheiro é aplicado em diversos ativos, ao invés de apenas um, como acontece com as ações. Desta forma, ele pode ser integrado à sua carteira junto com outros tipos de ativos, garantindo um vasto portfólio de valores para quem o escolhe.

Gestão passiva

Como dissemos no começo do artigo, o ETF se baseia em índices da Bolsa de Valores, ou seja, a sua organização é sempre adequada para trazer um resultado igual ou maior do que o índice usado.

Acessibilidade

Você pode negociar seus títulos quando e onde quiser pelo Home Broker, a plataforma de negociações que pode ser acessada pelo seu computador, celular ou tablet.

Reinvestimento

Sempre que você receber os lucros da suas cotas, eles serão reaplicados para  aumentar ainda mais o seu capital.

Transparência

Todas as informações são apresentadas ao investidor, então você estará sempre por dentro do que ocorre com seus fundos.

Liquidez

Como a oferta dos ETFs depende da demanda, eles possuem maior liquidez e podem ser comprados ou vendidos durante todo o dia.

Rendimentos de ETFs

Os ETFS rendem de acordo com a sua formação e do índice usado como base. Por ele ser um tipo de renda variável, nós não conseguimos calcular o quanto ele irá render no futuro.

Como o ETF está inserido em um mercado mutável, você poderá lucrar quando as cotas do fundo valorizarem.

Segundo a lista divulgada pelo BM&FBovespa no ano de 2017, o SMAL11 era o ETF mais rentável no Brasil, apresentando 49,03% de rentabilidade, enquanto o ISUS11 alcançava a menor posição da tabela, com 17,88%. Vale lembrar que esses valores não devem ser tomados como base, uma vez que diversos fatores mundiais podem transformar todo o cenário financeiro de uma hora para outra.

Como investir em ETF? Conheça o passo a passo.

Custos e cuidados

Outros dois fatores importantes que você precisa levar em conta antes de investir, são os custos e cuidados que você precisará ter com os seus títulos. 

Vamos falar primeiro sobre os custos? Afinal, eles são indispensáveis na hora de definir o valor que será destinado ao ETF, além do que, ao saber exatamente quais são eles, você evita ser pego de surpresa durante a negociação.

Em geral, quanto menos custos você tiver, mais dinheiro você juntará. Confira a seguir as principais despesas deste investimento:

Taxa de administração

É uma taxa anual que devemos pagar de acordo com a corretora e o índice de referência. Ela costuma estar entre 0,20% e 0,80%, em um valor bem mais baixo do que os fundos tradicionais, que variam entre 2% e 3%.

Cobrança do Imposto de Renda

Sempre que você vende um ETF, se faz necessário destinar 15% dos lucros obtidos para o Imposto de Renda. Lembrando que é o próprio investidor que deve recolhê-lo, uma vez que o imposto não fica retido na fonte.

Taxa de corretagem

Essa taxa muda conforme a corretora escolhida. Aqui na Easynvest você não paga taxa nenhuma.

Taxa de emolumentos

São taxas cobradas pela B3 e a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia toda vez que uma operação é realizada.

Agora que já falamos sobre as cobranças básicas do ETF, vamos aos cuidados:

Índice

O índice de referência é uma parte essencial do planejamento e sempre deve ser levado em consideração na hora de examinar o objetivo dos seus rendimentos.

Qual a diferença entre ETFs e Fundos Indexados?

A principal diferença entre os dois, é que os ETFs são negociados na Bolsa de Valores e os Fundos Indexados não. Apesar disso, ambos têm que acompanhar o índice de referência, mas os mecanismos definidos por cada um geram resultados bem diferentes. No caso do ETF, essa movimentação é quase automática, que acaba ocasionando na diminuição do valor da  taxa de administração. Enquanto isso, no gerenciamento dos Fundos Indexados, é preciso ficar comprando e vendendo papéis para conseguir seguir junto ao índice, causando um crescimento da taxa em questão.

Como investir em ETFs?

Na hora de investir, não tem segredo: a primeira coisa que você tem que fazer é abrir uma conta aqui na Easynvest. Depois disso, você transfere o dinheiro da sua conta bancária para a da corretora, através de um TED. Por isso, é fundamental que as duas contas estejam vinculadas à mesma titularidade.

Assim que esse procedimento for finalizado, você deve acessar o Home Broker e pesquisar o nome do ETF, ou direto pelo portal, clicando no card de ETF; e então apontar a quantidade de cotas e o valor da compra desejada. Aí cadastramos a sua assinatura digital e pronto!

O fundo vai ser colocado sob custódia assim que o preço for atingido e a liquidação acontecerá dentro de três dias úteis depois da negociação, da mesma forma como sucede nas ações.

As vantagens de investir em ETFs 

Por investir em vários ativos diferentes de uma vez, você acaba diminuindo a quantidade de taxas transacionais a serem pagas, além do que, nesse tipo de investimento, você só paga pelos dias em que as cotas estiverem na sua carteira e as taxas de administração são bem mais baratas do que no resto do mercado, como mostramos anteriormente.

Outros pontos positivos que são consequências da compra de múltiplos ativos, é que com isso, você não precisa perder tempo decidindo no que investir e ainda consegue ter uma carteira diversificada sem precisar fazer muitos esforços, tudo isso com transparência e certeza de onde o seu capital está sendo aplicado.

As desvantagens de investir em ETFs

Diferente do investimento direto em ações, os ETFs não são isentos do Imposto de Renda e têm 15% dos lucros cobrados. Outro aspecto negativo é que, assim como todos os títulos que fazem parte da renda variável, os ETFs não possuem garantia de retorno fixo, ou seja, por causa do efeito de montanha-russa que os preços possuem, fica impossível prever qual será o retorno futuro. Além disso, por ser um tipo de investimento novo no mercado, alguns ETFs ainda não apresentam boa liquidez.

Investir em ETF vale a pena?

Vale sim! Principalmente para quem é novo no mundo dos investimentos. Como o ETF oferece uma carteira bem diversificada, você pode possuir títulos em diferentes segmentos, aumentando as suas chances de obter um índice positivo. Por conta de todos os aspectos que citamos aqui, os ETFs são recomendados para investidores com perfil moderado ou arrojado.

Antes de qualquer coisa, gostaríamos de lembrar que, assim como em qualquer investimento, é fundamental entender o segmento antes de tomar uma decisão. Nessa hora, conte com a gente para tirar qualquer dúvida e te ajudar com a escolha que melhor se adequa ao seu objetivo financeiro!

Saiba tudo sobre investimentos! Entenda como funciona a Renda Variável.