E se você pudesse contar com um atalho na hora de investir na Bolsa? Quem sabe, com apenas um investimento, alcançar diversificação e boas rentabilidades. Isso é possível com o ETF. Esse é um tipo de fundo de investimento que muito usado em em outros países e que tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil.

 

Neste post, vamos explicar todas as vantagens dos ETFs e mostrar como você pode aproveitar esses ativos na sua carteira de investimentos.

 

  • O que é ETF
  • BOVA11
  • Como funciona um ETF
  • Vantagens do ETF
  • Custos e taxas
  • Como declarar ETF no Imposto de Renda
  • Como investir em ETFs
  • Vale a pena ter um ETF na sua carteira?

 

Boa leitura!

 

O que é ETF?

 

ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Funds. Em outras palavras, esse termo pode ser definido como um fundo de investimento que se baseia em índices da Bolsa de Valores (B3). Ou seja, de forma bem direta, esses são fundos de índices como cestas. Nelas, podem ser colocados diferentes tipos de ativos, como as Ações. 

 

Portanto, os ETFs nada mais são que cestas cheias de ações, mas estas cestas copiam o desempenho de um índice, por exemplo o Ibovespa, que reúne os papéis mais negociados da B3. Existem tanto ETFs que seguem índices de ações bem como ETFs de Renda Fixa.

 

Criado na década de 1980 nos Estados Unidos, o ETF é muito famoso em outros países. Lá é possível encontrar esses fundos com as mais variadas classes de ativos para investimentos. Aqui no Brasil, ele foi lançado em 2004 e ainda apresenta um mercado moderadamente pequeno, com 23 ativos na Bolsa.

 

Atualmente, existem ETFs como o Índice de Governança Corporativa (IGC), Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), Índice de Dividendos (IDIV) e o S&P 500, um dos principais índices do mercado americano de ações.

 

Além disso, nesse fundo quem comanda o investimento e escolhe os momentos mais favoráveis para os ativos serem negociados é o gestor. Ele acompanha o mercado para saber qual é a melhor hora para obter resultados positivos.

 

ETFs listados na Bolsa são ativos de Renda Variável. Ou seja, o seu retorno oscila conforme as condições do mercado. Assim, esse investimento também é considerado um investimento de risco. Por isso, é muito importante estudar as características e avaliar bem antes de investir o seu dinheiro.

 

Ficou interessado e quer saber mais sobre esse tipo de investimento? Então continue a leitura que vamos esclarecer suas dúvidas de uma vez por todas!

 

 

 

BOVA11

 

O ETF é mais conhecido no Brasil é o BOVA11. Ele acompanha o Ibovespa, principal índice da Bolsa, e representa 80% do volume negociado.

 

Você pode conferir no site da B3 a exata combinação de ações que fazem parte desse ETF. Essa combinação é exatamente a mesma do Ibovespa, já que o fundo de índice tenta replicar, o mais próximo possível, as oscilações do índice.

 

Como Funciona um ETF

 

Um índice é composto por ações de diversas empresas e refletem o desempenho do mercado em geral ou de um setor específico. O Índice Bovespa, por exemplo, é uma carteira teórica composta pelas ações mais negociadas no mercado brasileiro e serve como termômetro de mercado. Assim, quando o índice se valoriza, significa que o mercado se aqueceu naquele dia. Por outro lado, quando o índice tem uma desvalorização, o mercado não foi muito bem.

 

Existem índices setoriais ou de segmento, que medem o comportamento de um mercado específico. Um exemplo de índice de segmento é o IDIV (Índice Dividendos BM&F Bovespa), que concentra ações de empresas com bom histórico de pagamento de dividendos.

 

Já um exemplo de índice setorial é o IMOB (Índice Imobiliário) que reflete uma carteira com as ações mais negociadas do setor imobiliário.

 

Caso um investidor queira investir nas empresas do Índice Bovespa, por exemplo, ele pode entrar no site da Bolsa, verificar a composição da carteira e adquirir individualmente os mais de 70 papéis que fazem parte do índice. Porém, essa operação dá trabalho – e sai caro.

 

Os ETFs surgiram justamente para trazer essa facilidade no mercado. Dessa forma, uma gestora adquire as ações que fazem parte do índice e negocia cotas do fundo, assim como em fundos de investimento. Deste modo, caso um investidor queira aplicar em todas as ações do Ibovespa, basta ele comprar cotas de um ETF composto pelas mesmas empresas do índice.

 

Portanto, investir em ETF pode ser uma forma fácil e ágil de investir em um índice.

 

 

 

Vantagens do ETF

 

Os ETF são muito úteis para um primeiro contato com o mercado de renda variável. Eles funcionam como um verdadeiro atalho para quem quer investir na Bolsa de Valores. Ao negociar diferentes ETFs, é possível fazer uma diluição e diversificação de risco e ainda investir em diferentes segmentos e setores.

 

Confira quais são as vantagens do investimento em ETFs.

 

Diversificação. Esse é um dos principais atributos do ETF. Aqui, o seu dinheiro é aplicado em diversos ativos, ao invés de apenas um, como acontece com as ações. Desta forma, ele pode ser integrado à sua carteira junto com outros tipos de ativos, bem como garantir um vasto portfólio de valores para quem o escolhe.

 

Gestão passiva. O ETF baseia-se em índices da Bolsa de Valores, ou seja, a sua organização é sempre adequada para trazer um resultado igual ou maior do que o índice usado.

 

Acessibilidade. Você pode negociar seus títulos quando e onde quiser pelo Home Broker, a plataforma de negociações que pode ser acessada pelo seu computador, celular ou tablet.

 

Reinvestimento. Sempre que você receber os lucros da suas cotas, eles serão reaplicados para  aumentar ainda mais o seu capital.

 

Transparência. Todas as informações são apresentadas ao investidor, então você estará sempre por dentro do que ocorre com seus fundos.

 

Liquidez. Como a oferta dos ETFs depende da demanda, eles possuem maior liquidez e podem ser comprados ou vendidos durante todo o dia.

 

Custos e taxas

 

Outros dois fatores importantes que você precisa levar em conta antes de investir, são os custos que você precisará ter com os seus títulos. Afinal, eles são indispensáveis na hora de definir o valor que será destinado ao ETF.

 

Em contrapartida, quanto menos custos você tiver, mais dinheiro você juntará. Confira a seguir as principais despesas deste investimento.

 

Taxa de administração. É uma taxa anual que devemos pagar de acordo com a corretora e o índice de referência. Ela costuma estar entre 0,20% e 0,80%, em um valor bem mais baixo do que os fundos tradicionais, que variam entre 2% e 3%.

 

Taxa de corretagem. Essa taxa muda conforme a corretora escolhida. Aqui na Easynvest você não paga taxa nenhuma.

 

Taxa de emolumentos. São taxas cobradas pela B3 e a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia toda vez que uma operação é realizada.

 

Como declarar ETF no Imposto de Renda

 

Quem investe em ETF precisa pagar Imposto de Renda sobre a aplicação. A alíquota é a mesma para as ações: 15% sobre os ganhos. Porém, não existe isenção para vendas de ações no valor de até R$ 20 mil por mês. Essa vantagem só está disponível para quem negocia ações diretamente.

 

Mesmo sendo fundos de ações, o ETF não tem imposto retido na fonte. Então é o próprio investidor que deve recolhê-lo, fazendo o cálculo do valor do tributo e realizando o pagamento por meio de um Documento de Arrecadação da Receita Federal (DARF).

 

Nos ETFs de Renda Fixa, o imposto de 15% é retido na fonte, com recolhimento pela corretora de valores.

 

 

 

Como investir em ETFs

 

Na hora de investir, não tem segredo. Antes de mais nada, você tem que fazer é abrir uma conta aqui na Easynvest. Logo depois, você transfere o dinheiro da sua conta bancária para a da corretora, através de um TED. Por isso, é fundamental que as duas contas estejam vinculadas à mesma titularidade.

 

Assim que esse procedimento for finalizado, você deve acessar o Home Broker. Pesquise o nome do ETF, ou direto pela plataforma de iniciantes, clicando no card de ETF. Por fim, é só apontar a quantidade de cotas e o valor da compra desejada. Aí cadastramos a sua assinatura digital e pronto.

 

O fundo vai ser colocado sob custódia assim que o preço for atingido. Já a liquidação acontecerá dentro de três dias úteis depois da negociação, da mesma forma como sucede nas ações.

 

 

 

Vale a pena ter um ETF na sua carteira?

 

Vale sim! Principalmente para quem é novo no mundo dos investimentos. Como o ETF oferece uma carteira bem diversificada, você pode possuir títulos em diferentes segmentos. Isso aumenta as suas chances de obter um índice positivo. Ele também pode ser uma boa opção para estratégias de longo prazo.

 

Por conta de todos os aspectos que citamos aqui, os ETFs são recomendados para investidores com perfil moderado ou arrojado.

 

Antes de tudo, é importante lembrar que é fundamental entender o segmento antes de tomar uma decisão. Nessa hora, conte com a gente para tirar qualquer dúvida e te ajudar com a escolha que melhor se adequa ao seu objetivo financeiro.

 

Clique aqui e descubra mais sobre os investimentos em ETFs.