Se vocês acompanham um pouquinho as notícias do mercado financeiro, devem ter visto manchetes sobre o desempenho dos Fundos de Investimento entre 2019 e 2020, né?

Mas é um tipo de investimentos que ainda deixa muitas dúvidas por aí. Por isso, estamos produzindo diversos conteúdos para te ensinar as características básicas de cada fundo. Assim, a ideia é que você saia daqui direto para o site da Easynvest e investir, combinado?

É sempre bom lembrar que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Esse é só mais um dos fatores que temos que analisar antes de tomar uma decisão no campo financeiro. Tem também as carteiras recomendadas na nossa prateleira de investimentos, e é claro, bastante estudo para entender bem cada classe e cada fundo.

Ah, para facilitar cada vez mais a sua vida, disponibilizamos esse conteúdo também em vídeo. Assim você não perde nada do que publicamos aqui na Easynvest. Olha só:

Fundos Multimercado

Os Fundos Multimercado podem até ser conservadores, mas em sua grande maioria são bem agressivos.

Eles são diferentes de outros fundos, porque não tem limites mínimos máximos ou mínimos na sua composição, ou seja: o gestor pode usar o ativo que quiser, na quantidade que quiser, para alcançar os objetivos do fundo.

Esses fundos misturam papéis de Renda Fixa, câmbio, ações da bolsa, derivativos e até investimentos no exterior. Isso faz deles mais rentável que a maioria dos Fundos de Renda Fixa, porém com riscos maiores.

Os Fundos Multimercado têm incidência de come cotas e são tributados de acordo com o tempo que o investidor permanece com o fundo, conforme os seguintes prazos:

De 0 a 180 dias: 22,5%
De 181 a 360 dias: 20%
De 361 a 720 dias: 17,5%
De 721 dias em diante: 15%.

Fundo de Ações

Os fundos de ações, como o próprio nome já diz, são fundos que visam investir prioritariamente no mercado acionário, e por isso, formam provavelmente a classe mais agressiva de todas.

A regra diz que devem investir pelo menos 67% , ou dois terços, em papeis de empresas listadas na bolsa. O resto pode ser investido em outros tipos de investimentos, como Renda Fixa. Eles não têm incidência de come cotas, mas sofrem tributação do Imposto de Renda em 15% sobre o lucro do investidor.

Fundo de Crédito Privado

Já os fundos de Crédito Privado, que vem dando o que falar nos últimos tempos, investem em ativos de renda fixa privada. CRIs e CRAs, CDBs, Debêntures, e por aí vai… Nesse tipo de fundo, o gestor busca uma performance acima do CDI. De uma forma geral, são indicados para investidores conservadores ou moderados, e caem muito bem em épocas de baixa na Taxa Selic.

Eles são tributados conforme a mesma tabela mostrada nos Fundos Multimercado.

Fundo de Renda Fixa

Os fundos de Renda Fixa são indicados a investidores conservadores, e devem investir no mínimo 80% de seus recursos em ativos de Renda Fixa. Os outros 20% podem ser investidos em derivativos com alavancagem. Eles também são tributados conforme a tabela progressiva de imposto de renda, e também tem a incidência de come cotas.

É importante lembrar também da importância da diversificação! A ideia não é escolher o tipo de fundo que mais se adequa pra você, mas sim, qual a quantidade de cada fundo você vai ter na sua carteira, combinado?

Papo que Rende, o Podcast da Easynvest

Se você acompanha nossos conteúdos, percebeu que estamos fazendo diversos conteúdos especiais sobre Fundos de Investimento no início de 2020. Além do vídeo acima e deste texto, também temos uma live no Youtube sobre o assunto. Não deixe de conferir!

Além disso, gravamos um podcast supercompleto sobre o panorama da indústria de Fundos de Investimento no início deste ano. Também falamos sobre a maturidade do mercado e sobre as peculiaridades de cada tipo de fundo. No bate papo, contamos com a participação da Carolina Melchert e Ronaldo Boruchovitch, da Da Vinci Partners, empresa de Fundos de Investimento. O Papo que Rende está disponível no Spotify, ItunesCastbox e Deezer.  Não perca!