Não importa qual é seu cargo atual ou plano de carreira. Ser relevante, competitivo e em alta no mundo de hoje exige esforços e um compromisso com o aprendizado contínuo. Para criar um diálogo com quem tem expertise nesse momento de transformação do mercado, a Easynvest se juntou à Udacity Brasil no post de hoje.

Afinal, para falar sobre esse futuro, onde aprender novas habilidades não é mais um diferencial (mas uma necessidade) nada melhor do que ter informação de quem é referência em educação. Espia só!

Um novo perfil profissional

Jonas Prising, presidente e CEO da grande recrutadora ManpowerGroup, escreveu recentemente um artigo que descreve o perfil dos profissionais bem-sucedidos do futuro. O título? “O modelo de um emprego para a vida toda está morto”.

“Vamos precisar de uma nova geração de trabalhadores que tem fome de aprender. Eles serão pioneiros em encontrar novas maneiras de combinar negócios e tecnologia para aumentar sua produtividade. Vão atualizar os velhos modelos de trabalho. Organizações de todo tipo de indústria vão procurar mentes curiosas, flexíveis e orientadas a dados”, afirma Prising.

O CEO define o momento pelo o conceito de learnability. Ou seja, a capacidade de aprendizado e de adaptação de suas habilidades para continuar empregável ao longo de toda a vida profissional. “Em um mundo que muda rapidamente, a learnability é como [você pode] se manter relevante, seguir em frente e subir”.

Talentos ágeis e a economia sob demanda

Práticas de contratação rápida e aprendizado rápido emergem como soluções em potencial. Dentro deste universo de transformações, surge a ideia de talento ágil e a importância crescente do que se costuma chamar de gig economy ou economia sob demanda.

Jonathan Younger, co- autor do livro “Agile Talent: How to Source and Manage Outside Experts”, explica que para funcionar ao máximo, o talento ágil depende de algo chamado cloud resourcing (recurso em nuvem). E ele alerta: não se preocupe se você não entendeu nada, tudo é novo.

“A alusão à computação em nuvem é intencional, porque a nuvem é sinônimo para computação distribuída em rede e reflete a habilidade crescente que empresas têm de aumentar sua velocidade e eficiência ao executar aplicações em muitos computadores conectados ao mesmo tempo”, afirma Younger. “O cloud resourcing reflete a capacidade das empresas de acessar uma rede global de talentos que oferece uma gama maior de habilidades e um custo-benefício maior do que em modelos empregatícios tradicionais.”

E por que o aprendizado contínuo importa?

A ênfase na criatividade, velocidade e eficiência se encaminha para a seguinte conclusão sobre o emprego do futuro: abordagens menores, mais rápidas e mais inteligentes rumo ao aprendizado são necessárias, tanto para empresas quanto para profissionais.

Isso significa que não vai mais haver empregos em tempo integral no futuro, apenas freelancers? Não. E que será impossível ter alguma estabilidade, visto que tudo vai estar sempre mudando? Não. E caso você queira uma longeva carreira de décadas numa empresa, isso agora não existe? Também não é verdade.

Significa apenas que é hora de aposentar a mentalidade de que você já domina o que precisa dominar porque sabe fazer seu trabalho. O que é exigido de você como profissional, seja em termos de conhecimento ou de jeitos de trabalhar, vai mudar – e você pode sair na frente se estiver atento e preparado.

Para ter sucesso em qualquer papel, será preciso abraçar a ideia de life long learning, que na prática significa ser alguém proativo, flexível e de interesses diversos quando o assunto é conhecimento e novas habilidades. Somente adotando essa postura será possível se manter relevante, competitivo e em alta no mercado de trabalho.