O mundo dos investimentos por muitas vezes já se mostrou um pouco complicado de se entender. Por isso, todos precisam estudar e analisar o risco de qualquer produto antes de aplicar seu dinheiro. Mas o que muitos não sabem (ou continuam sem saber) é que durante o processo de ver seu dinheiro rendendo, há um fator um tanto quanto distinto desse universo que pode atrapalhar os investidores: as emoções.

Nos baseamos em fatos, acontecimentos passados e pessoas que nos cercam para tomar as melhores escolhas na maioria das nossas decisões.  No mundo dos investimentos, e como as pessoas decidem onde vão alocar seu dinheiro, esse comportamento se repete.

Isso pode explicar o motivo que muitas pessoas ainda mantém o dinheiro delas na poupança, já que ele é o investimento mais tradicional e existe há mais de 150 anos. Muitos desses investidores não querem sair de uma aplicação que considerem segura, sem saber que ela rende menos e tem um risco maior do que o Tesouro Direto, por exemplo.

Em nosso canal, falamos com duas especialistas sobre esse assunto. Entrevistamos a professora Vera Rita de Mello, Psicanalista e Doutora em Psicologia Econômica. Chamamos também a especialista Flávia Ávila, mestre em economia comportamental, em uma live especial sobre como a mente pode influenciar no seu bolso. Confira aqui e aqui.

Mas na prática como isso acontece?

Ao abrir uma conta na Easynvest, a primeira coisa que você precisa fazer é responder um questionário e verificar o seu perfil de investidor. Dentro dele, há a seguinte pergunta:

Qual a sua reação se, passados 12 meses, seus investimentos apresentarem uma desvalorização de 30%?

Essa questão é muito importante não apenas para entender seu perfil de investidor, mas para entender como você lida com as emoções em determinadas situações. Afinal, uma desvalorização significativa também pode acontecer em uma fração de segundos. E isso pode fazer com que muitos investidores se desesperem e vendam seus ativos, caso não estejam prontos para lidar com tais emoções, provavelmente perdendo muito dinheiro.

Mas se você controlar suas emoções, pode perceber que uma desvalorização dessas é uma ótima oportunidade para ganhar mais dinheiro.

Veja o gráfico abaixo.

Bloomberg

fonte: Bloomberg

Em maio de 2017, a delação da JBS foi vazada a imprensa e fez com o Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa brasileira, despencasse. Nesse dia, as negociações de todas as ações foram paralisadas devido à queda acentuada. Porém, repare no movimento que ocorre nos meses seguintes. Há uma forte valorização no preço do índice.

Portanto, aquele investidor que não se desesperou, acreditou que o índice poderia performar melhor e manteve sua posição, não teve prejuízos.

Houve também aqueles investidores que ganharam mais dinheiro ainda. Com a queda generalizada, diversas empresas ficaram baratas. Com preços bem mais “acessíveis”. Ou seja, aquelas pessoas que compraram ou até investiram mais em ações que já tinham em carteira, acabaram encontrando uma ótima oportunidade de ganho.

Vale mencionar que esse é apenas um exemplo. Nem todas as quedas são seguidas de forte valorização.

Essas oportunidades não acontecem apenas com ações. No mesmo dia da delação da JBS, os títulos de renda fixa passaram a ser negociados a taxas bem maiores do que nos dias anteriores. Isso aconteceu porque o noticiário envolvendo o Brasil deixou a política e a economia do Pais sem um rumo claro, com um risco maior.

Justamente por isso, os títulos do Tesouro Direto, por exemplo, foram negociados com taxas bem mais “atrativas”.

Por isso, é muito importante, estudar e ter certeza do investimento que você irá fazer. Assim, nesses momentos de fortes emoções, você estará preparado para ganhar mais dinheiro.