Todo mundo já ouviu falar pelo menos uma vez na vida sobre comprar ações. Mas sabia que também é possível alugar ações, comprar e vender no mesmo dia e até negociar aquilo que você não tem em conta? Pensando nisso, montamos este manual sobre negociações de ações, para que ninguém mais fique no escuro quando esse assunto surgir.

Operações day trade

É quando uma operação é iniciada e encerrada dentro do mesmo pregão, com lucro ou prejuízo. Exemplo: Por volta das 11h foi feita a compra de 1000 ações da empresa ABCD3 pelo preço de R$ 10,00. No mesmo dia, por volta das 15h as 1000 ações da empresa ABCD3 são vendidas por R$ 10,05. Nesse caso, a operação terminou com lucro de R$ 0,05 por ação, sem descontar custos de corretagem e taxas de liquidação. Neste tipo de operação, não se aplica a isenção de imposto de renda, sendo que deve haver o recolhimento de 20% sobre o lucro .

Swing trade

É uma das operações normais, ou seja, que não é day trade. Trata-se de quando a compra é realizada e encerrada dentro de poucos dias para capturar movimentos bruscos de mercado. Nesse caso, o investidor visa ganhos num curto ou médio prazo. Há isenção de imposto de renda em caso de operações menores que R$ 20.000,00. Em casos de operações iguais ou maiores que este valor, haverá recolhimento de imposto de renda via DARF de 15% sobre o lucro obtido.

Buy and hold

Outra operação normal. É quando o investidor quer lucrar com a compra de ações no longo prazo. O famoso “comprar e esquecer”. Nesse caso, além da valorização dos papéis em si, o investidor pode também lucrar com o pagamento de juros, dividendos, bonificações. Quando vender as ações, o imposto de renda segue a lógica das operações de swing trade, havendo necessidade de recolhimento de 15% sobre o lucro obtido caso a operação seja igual ou maior a R$ 20.000,00.

Operação coberta

É o princípio mais simples de todos: Se você vendeu aquilo que possuía, ou comprou com recursos próprios que estavam na forma de dinheiro vivo na conta, você realizou uma venda ou compra coberta respectivamente. Parece obvio, porém, é necessário apresentarmos o termo para que os próximos tópicos fiquem claros.

Margem de Garantia

Preste atenção nesta parte e volte quantas vezes achar necessário. Em operações descobertas, ou de aluguel de ações, é necessário apresentar garantias. Funciona de forma muito próxima do depósito caução no aluguel de um imóvel, onde o inquilino faz um adiantamento para poder cobrir riscos de inadimplência no futuro. Em operações como compra e venda de ações a descoberto, ou aluguel tomador, o investidor dispõe de algum ativo financeiro alocado na própria corretora para que sirvam de lastro para honrar os compromissos assumidos em caso de oscilação desfavorável. Dinheiro, ações e títulos públicos servem como garantia para essas operações.

Venda a descoberto

Nessa operação simplesmente você vende o que não tem em carteira, contando com a desvalorização da ação para recompra-la mais tarde com um preço mais barato, e assim, obter lucro. Exemplo prático: Às 11h15 o investidor vende 1000 ações da empresa ABCD3 por R$ 10,00. Mais tarde, às 14h14 recompra o papel por R$ 9,50. Nesse caso, lucrou R$ 0,50 por ação. Essa tática é usada quando o investidor acredita na desvalorização de uma ação. Na maior parte das vezes, é uma operação day trade. Para que uma venda de ações se torne uma operação de médio ou longo prazo, é necessário primeiro realizar outra operação, que é o aluguel tomador, e falaremos dele mais à frente.

Compra a descoberto

É possível comprar ações mesmo sem ter o saldo em conta disponível. Da mesma forma que ações e títulos públicos servem como garantia para uma venda descoberta, também garantem uma compra. Nesse caso, o investidor acredita na valorização do papel no curto prazo. Imagine que uma pessoa títulos públicos e ações da empresa ABCD3 na sua carteira de investimentos na corretora e queira aproveitar um movimento de alta sem se desfazer destes ativos que já estão em conta. Para isso, pode fazer uma compra descoberta, tendo em vista que é necessário encerrar a operação antes do término do pregão do dia.

Aluguel de ações

Além de serem compradas e vendidas, as ações podem ser alugadas? Sim, é possível. E segue o mesmo princípio do que acontece com um imóvel: O locador recebe uma remuneração por conta da cessão dos papéis, enquanto o locatário deve pagar pelo empréstimo das ações. A taxa do aluguel é acordada no momento do fechamento da operação, e em caso de devolução dos papeis antes do término do contrato, o pagamento da taxa é proporcional aos dias decorridos. Explicaremos mais detalhes sobre cada ponta do negócio adiante.

Aluguel doador

Essa é para quem fez um buy and hold e gostaria de obter uma receita adicional, assim, com as taxas recebidas, aumentar ganhos com o mesmo papel. No caso de distribuição de lucros como juros sobre capital próprio, dividendos, mesmo com as ações alugadas, o doador recebe estes pagamentos normalmente. Existem duas modalidades de aluguel doador: Reversível ou não. Na primeira, o doador pode pedir as ações de volta a qualquer momento, já na modalidade não reversível, o doador tem de esperar o término do contrato, ou a devolução voluntária do tomador para ter as ações de volta. Enquanto as ações estão alugadas não é possível para o doador se desfazer dos papéis.

Aluguel tomador

Se o investidor acredita fortemente na desvalorização de uma ação e quer apostar contra o papel no mercado, primeiramente ele deve fazer o aluguel da ação para depois vende-la. Essa operação é nada mais que uma venda, porém, com objetivo de médio ou longo prazo.  Para isso, deve possuir garantias alocadas na conta de corretora (dinheiro, ações e títulos públicos servem para este propósito). É necessário observar se ele é reversível ou não para o doador, que pode pedir as ações de volta a qualquer momento. No caso de pagamento de proventos, o tomador é responsável pela remuneração destinada ao doador, e terá o montante debitado de sua conta em caso de distribuição de lucros, como dividendos ou juros sobre capital próprio.

Long & Short

Operação onde uma ação é comprada e outra é vendida, de forma simultânea. O primeiro passo é escolher um par de papéis, que podem ser do mesmo setor ou até da mesma empresa, como por exemplo, vender ABCD4 e comprar ABCD3. Primeiro, o investidor vende um lote de ações (short) e depois compra outras ações (long). O intuito é buscar lucro através da diferença de preços e diluir riscos.

Agora que você já conhece mais sobre o mercado de ações, queremos suas sugestões para os próximos posts. Qual o assunto que você gostaria de conhecer mais? Deixe seu comentário que vamos trazer os novos assuntos para você!