Com menos de 30 anos, Carol Paiffer acumula os cargos de Presidente e Diretora de Relações com Investidores da Atom Participações. Apesar da pouca idade, a ela possui experiência em diferentes setores de atuação no mercado financeiro.  Hoje a Atom Parcitipações oferece cursos de capacitação para investidores e também possui mesa de operações para traders, além de estudo de análise de estratégias e aquisições de empresas.

Vamos conhecer melhor o perfil da Carolina Paiffer e saber mais sobre a sua trajetória.

Primeiramente, conte um pouco do histórico da Atom Participações e desde quando você está na empresa.

Sou uma das fundadoras da Atom.

Meu irmão e eu somos sócios há 11 anos, começamos como Agente Autônomo de Investimentos depois montamos um Asset para fazer gestão dos nossos clientes e ganhar na performance. Há 5 anos decidimos operar nosso próprio dinheiro e fundamos a WHPH uma mesa de traders. Começamos modestos com 1 Milhão de reais e em pouco tempo (2 anos) fizemos 15 milhões operando daytrade. Neste mesmo tempo conseguimos comprar a antiga Inepar Telecom e decidimos transforma-la em Atom. A primeira mesa de traders com capital aberto da Bolsa de Valores e agora a maior da américa Latina.

Hoje a empresa tem a WHPH como controladora (detemos quase 70% da companhia) e nessa empresa somente Joaquim e eu somos sócios.

A Atom recebeu gratuitamente todo know how que criamos para ensinar pessoas comuns a operar na Bolsa de valores sem precisar ter capital.

Somos uma tesouraria e montamos um educacional para recrutar mais pessoas para nosso time.

A Atom já existe há 2 anos. Seu primeiro balanço saiu agora a poucos meses. Já estamos atuando no Brasil, EUA e Europa.

Você é formada em administração de empresas, quando foi seu primeiro contato com o mercado financeiro?

fui fazer administração porque queria ter uma empresa de Moda, então ia estudar moda em seguida (risos).

No primeiro ano de faculdade o professor do meu irmão (que foi fazer administração incentivado por mim) falou sobre Bolsa de Valores. Quando tomamos ciência do que era a Bolsa e das oportunidades que teríamos focamos nisso, decidimos estudar tudo que podíamos.

No outro ano estava abrindo um escritório em Sorocaba e já ministrava palestras sobre Bolsa de Valores para pessoas comuns. Nunca mais fiz outra coisa que não estivesse ligado ao mercado.

Como foi sua trajetória de ascensão na Atom até chegar ao cargo de presidente?

Foi curta e rápida, mas que envolve 11 anos de relacionamento com meu sócio.

Sou caçula, então, obedece então, obedece quem tem juízo (risos)

Joaquim era o presidente e queríamos entrar no Novo Mercado.  E para isso ele não poderia ser o presidente do conselho de administração e também presidente da empresa.

Convocamos nossa equipe e conselho de administração para votar a respeito de quem poderia ser o presidente e meu nome foi unanime. Não esperava assumir uma presidência, acho que nunca me imaginei como tal, mas o argumento foi bom: a empresa precisa de uma liderança e você sempre está nos vídeos, nas reuniões, na comunicação da companhia.

Hoje apareço muito nas redes sociais, adoro fazer as reuniões, discutir ideias, levar a Atom para outro patamar e foi com esse objetivo que decidimos que eu assumira o cargo.

Então acabei acumulando dois cargos na Atom: Diretora de RI e Presidente.

Espero sinceramente superar as expectativas, que são altas (risos).

Antigamente as mesas de operações no mercado financeiro eram ambientes predominantemente masculinos. Você já percebe a maior participação feminina no setor?

Ainda muito modesta. Como falei, faço muitos vídeos e apareço muito nas redes sociais, mas o ambiente ainda é mais masculino. Aumentou bastante nos meus 11 anos no mercado, mas ainda bem modesto perto do potencial que tem.

Além das suas atribuições junto à empresa, você opera no mercado financeiro com qual frequência? Em quais mercados você atua?

Todos os dias, sou apaixonada pelo que faço. Opero no Brasil: dólar, índice e ações e no mercado americano SP 500. Meu próximo passo é operar FTSE100 (índice da bolsa de Londres)

Por conta de seu histórico de ascensão profissional, acredita que hoje já hajam oportunidades igualitárias para homens e mulheres?

Acredito que ainda exista alguns fatores que criem algumas barreiras para mulheres em empresas tradicionais, como o fato de saber que uma mulher irá ter filhos e que isso pode mudar sua rotina na companhia. Não acho que vamos “zerar” o problema, mas acredito que as mulheres ganharam muito espaço e são cada vez mais respeitadas. Só acho que também precisamos parar de achar que o fator sexo é um problema, muitas vezes é falta de preparo para assumir aquele cargo. Nós seres humanos adoramos terceirizar a culpa. rs

Qual a dica que você pode deixar para as mulheres que querem começar a investir?

Comprar ações da Atom todo mês. Brincadeira! Creio que começar é o primeiro ponto! Adiamos sempre os e o lado financeiro sempre fica de lado na vida do brasileiro. Precisamos focar em criar um planejamento e cumprir.

E se for investir em ações de preferência 10% a 15% do total do investimento. O resto em renda fixa, assim, você não terá grandes sustos.

Carol, alguma consideração final para os nossos leitores?

Acredite em você! Acho que estamos em tempo de pensar em transmitir boas energias.

A Atom tem um proposito maior do que dar dinheiro para as pessoas operarem, queremos impactar a vida das pessoas de forma positiva. Transbordar amor, carinho, atenção.

Obrigada pela oportunidade de dividir com vocês mais sobre nós.