Direto ao ponto: COE significa Certificado de Operações Estruturadas. Para entender como funciona esse investimento, é importante saber primeiro que ele é uma composição de outras modalidades de aplicações, como:

  • Renda Fixa: modalidades onde o investidor pode emprestar dinheiro a um banco, empresa ou até mesmo para o governo. Em contrapartida, o investidor receberá uma remuneração, que poderá ser prefixada ou pós-fixada. Podemos citar como exemplos de renda fixa os CDBs, debêntures e os títulos públicos do Tesouro Direto.
  •  Renda Variável: produtos onde o investidor não tem como saber previamente qual será a rentabilidade. Ações negociadas na Bolsa de Valores são um exemplo de Renda Variável.
  • Derivativos: contratos futuros, que como o próprio nome diz, “derivam” dos valores de outros produtos financeiros, como opções, que concedem o direito de comprar ou vender uma ação no futuro, por um preço previamente estabelecido.

Como funciona:
Costumamos dizer que o COE é uma cesta de opções, onde o banco emissor irá escolher uma operação com os ativos citados anteriormente e propor aos seus clientes.

Vamos supor que um banco, após captar recursos para emitir um COE, invista R$ 100 mil e aplique em um título de Renda Fixa a 10% ao ano. Portanto, ele sabe que terá um rendimento garantido de R$ 10 mil.

Com esse rendimento garantido, a instituição compra opções de alguma empresa negociada na Bolsa, garantido assim o direito de comprá-la no futuro a um preço determinado.

Suponhamos, que neste futuro hipotético, as ações desta empresa subam. Assim, a aplicação, além do ganho garantido na renda fixa, terá uma remuneração da operação com as opções.

Qual a vantagem de investir no COE?
É a possibilidade de montar uma operação que conta com vários tipos de investimentos (distintos e complexos), a partir de um valor de aplicação baixo. Afinal, o investidor tem a possibilidade de ganho acima da renda fixa tradicional e a garantia do capital protegido.

Segurança
O COE é uma estrutura emitida e registrada da mesma forma que um CDB, por exemplo. O banco, ao emitir o título, irá registra-lo na B3 (antiga BM&FBovespa), instituição responsável por registrar e guardar essas operações bancárias no nome do cliente.

O que isso significa? O risco do investidor está no banco que emitir o COE, pois toda operação é feita e estruturada pela instituição. E, é ela que garante ao investidor o capital protegido. Por existir esse risco, a Easynvest emite COEs de instituições financeira com renome.

COE é para todos os investidores?
Ele é considerado um investimento arrojado, para aqueles que querem diversificar sua carteira e ter a possibilidade de ganho acima da renda fixa tradicional.

Há imposto de renda?
Tão importante quanto o funcionamento do produto, é o quanto isso vai custar. O imposto de renda é cobrado de acordo com o prazo do COE:

Aplicações de 0 a 180 dias terão 22,5% de IR
181 a 360 dias 20% de IR
361 a 720 dias 17,5% de IR
Acima de 721 dias 15% de IR

Pela Easynvest não há taxa de custódia ou corretagem.