Continuando nossa série sobre fundos de investimento, aqui vamos abordar dois tipos de fundos que estão atrelados ao mercado de Renda Variável: os Fundos de Ações e os Fundos Cambiais.

Fundo de ações
Fundo de Ações é uma alternativa para quem quer entrar mercado de ações, mas não dispõe de tempo ou conhecimento para participar diretamente da negociação de ativos na Bolsa de Valores. Segue o mesmo princípio de qualquer outro Fundo de Investimento, onde o investidor participa por meio da aquisição de cotas.

Por regra, um Fundo de Ações deve investir no mínimo 67% do seu patrimônio em ações. Dessa maneira, o gestor sempre deve manter no mínimo este percentual alocado em renda variável, ou seja, ações ou instrumentos financeiros, como ETF’s (Exchange-Traded Funds) e FII’s (Fundos de Investimento Imobiliário).

Dentro da classe de Fundos de Ações existem algumas possibilidades de estratégias:

  • Fundos de Ações que são referenciados por um índice (Ibovespa, IBrX 100, etc.)
  • Fundos de Ações que investem apenas em papéis (Petrobras, Vale, etc.)
  • Fundos de Ações livres que podem investir em papéis sem se prender ao acompanhamento de um índice.

Essa modalidade de investimento possui mais riscos envolvidos, pois no mercado de renda variável, existe a possibilidade de desvalorização das ações, e, portanto, das cotas do fundo.

É importante que o investidor leia atentamente o prospecto e a lâmina de informações essenciais para verificar a estratégia do fundo e em quais mercados e setores o gestor irá atuar.

 

Como acontece em Fundos de Renda Fixa e Multimercado caso o fundo seja ativo, ele poderá cobrar taxa de performance se o resultado supere o benchmark.

Vantagens de um fundo de ações

  • Gestão profissional que negocia as ações de acordo com as políticas de investimento do fundo;
  • Possibilidade de retorno maior do que o encontrado numa renda fixa tradicional;
  • Instrumento útil para quem quer aplicar em renda variável, porém, não tem tempo ou conhecimento para negociar diretamente na Bolsa de Valores.

Imposto de renda

 

  • 15% sobre o rendimento obtido, independente do prazo da aplicação;
  • Não há incidência de IOF;
  • Não há incidência de come-cotas, antecipação da cobrança de IR

Fundos cambiais
Fundos cambiais geralmente são usados por investidores que possuem despesas recorrentes ou dívidas em moeda estrangeira e querem proteger seu patrimônio da desvalorização do real.

Obrigatoriamente, este tipo de fundo, deve concentrar, no mínimo, 80% do seu patrimônio em investimentos atrelados a moedas estrangeiras.

No mercado, os fundos mais comuns são aqueles que acompanham a variação do dólar.

Essa é outra modalidade de investimento que envolve risco de mercado, pois está ligada à muitos fatores da economia. Ao mesmo tempo, ela abre a possibilidade de ganho quando a moeda estrangeira se valoriza.

Vantagens de um Fundo Cambial

  • Acompanha a variação da moeda estrangeira;
  • Proteção contra oscilações das moedas;
  • Alternativa prática para quem planeja viagens, ou tem dívidas no exterior.

Tributação de um Fundo Cambial

Alíquota regressiva, sendo:

 

De 0 a 180 dias: 22,5% de IR
De 181 a 360 dias: 20% de IR
De 361 a 720 dias: 17,5% de IR
De 721 dias em diante: 15% de IR

IOF regressivo somente nos primeiros 30 dias de aplicação

Por isso, é importante saber que tanto os Fundos de Ações como os Fundos Cambiais são investimentos que envolvem certo grau de risco, sendo mais aconselhados para investidores experientes. Se você quer saber mais sobre Fundos de Investimento, continue a acompanhar a nossa série.