Acredite, montar uma carteira de investimentos não é uma tarefa apenas para profissionais do ramo. E para provar que, qualquer pessoa pode fazer isso, separamos três passos fundamentais para você fomentar sua escolha sem dificuldades. São elas: coloque prazos; entenda seus objetivos e saiba qual é o seu perfil de investidor.

Vamos lá!

1 – Coloque prazos para seus investimentos:
Tenha em mente qual o prazo do investimento e se haverá necessidade de usar o dinheiro no meio do caminho. Se um investidor só pode deixar o recurso aplicado pelo prazo de um ano, não faz sentido contratar um investimento com prazo de cinco. Se for o seu caso, olhe produtos que tenham vencimento em até doze meses.

Agora, falando em liquidez – quando poderá resgatar seu investimento – há duas opções. Se o investidor tem certeza absoluta que não precisará usar o dinheiro, ele pode optar por um produto que tenha liquidez apenas no vencimento. Caso ele acredite que possa precisar do dinheiro, deve escolher uma opção que tenha possibilidade de resgate parcial ou total a qualquer momento. Portanto, não se trata do melhor ou pior produto, mas qual atende, da melhor, forma as suas necessidades e expectativas.

2 – Entenda seus objetivos:
A finalidade do investimento também é um fator importante a ser considerado. Por exemplo, para a formação de uma reserva de emergência – dinheiro que você pode precisar caso alguma coisa aconteça – é mais apropriado um título com condições de resgate a qualquer momento.

Se o investidor planeja um investimento para aposentadoria, pode optar por um produto com prazo mais longo e, eventualmente, maior possibilidade de retorno.

3 – O perfil de investidor:
Seu perfil de investidor pode ser dividido em três grupos distintos: conservador, moderado e arrojado. O conservador prefere um investimento onde o ganho seja mais previsível, mesmo que isso implique numa possibilidade de ganho limitada. Em contrapartida, o investidor arrojado entende que o investimento dele é menos previsível em relação ao retorno, buscando maior lucratividade e aceitando riscos.

Vale lembrar que uma alternativa também não exclui a outra. Cada investidor pode ter, ao mesmo tempo, diferentes planejamentos, direcionando seus recursos para diferentes propósitos. E este é o perfil moderado. Afinal, nada impede que seja feito um balanceamento de ambos na carteira e, assim, aproveitar as melhores oportunidades de cada mercado e cada classe de investimentos.

Portanto, lembre-se: montar uma carteira é direcionar o dinheiro para os investimentos que melhor atendem sua necessidade no momento, e não necessariamente adivinhar qual a aplicação terá o maior potencial de retorno.